Archive for December, 2010

My first sermon in Portuguese

So I’m a bit slow in getting it posted up here, but here is the text of my first sermon in Portuguese, given at the Lisbon Church of Christ, Nov. 28, 2010.

Bom dia, igreja! Vocês são os privilegiados que têm a sorte de ouvirem a minha primeira tentativa fraca de pregar em português. Só peço que não riam em voz alta demais quando eu fizer figura de parvo!

Não, realmente tenho praticado muito na lingua, como esta equipa inteira, porque nós tencionamos ser missionários em Angola, e por isso temos de ser capazes de falar em português, mesmo que dê muito trabalho. Este papel missionário molda tudo nas nossas vidas. Até influencia a minha leitura do tempo livre. Eu gosto de ler histórias de missionários, especialmente autobiografias, como esta autobiografia dum missionário antigo de Angola. E pessoalmente, gosto de conhecer as estratégias deles, para aprender o melhor caminho para a nossa equipa.

Mas hoje, quero falar sobre o supremo missionário de todos e a Sua autobiografia. De quem estou a falar? De Deus! Eu gosto de pensar em Deus como missionário, e a Bíblia como a Sua autobiografia. O que é que eu quero dizer? Em que sentido é Deus um missionário? Às vezes, a palavra “missionário” significa quem é mandado, como a nossa equipa foi enviada pelas igrejas na América. É óbvio que esse não é o caso de Deus – ninguém envia Deus! Mas há outro sentido da palavra. Pode significar alguém que tenha uma missão, uma incumbência, um objectivo muito claro que tem de cumprir. Os comandos militares que descem em pára-quedas atrás das linhas do inimigo têm uma missão, e não pararão até a cumprirem. A mãe com o filho gravemente doente ao colo está numa missão, e não desistirá antes de o entregar ao hospital.

Igualmente, o nosso Deus tem uma missão, e não parará antes de a cumprir. Não está a andar só para passar o tempo; antes, está a trabalhar muito propositadamente para realizar o Seu alvo. E qual é aquele alvo, aquela missão? Ainda bem que vocês perguntaram! Vamos abrir as nossas Bíblias em Segunda Coríntios, capítulo 5. A Escritura tem muitas maneiras para descrever a missão de Deus, e esta passagem é uma das minhas preferidas. Vamos ler Segunda Coríntios, capítulo 5, a partir do versículo 18.

E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo, por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação, isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados, e pôs em nós a palavra da reconciliação. De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamos-vos, pois, da parte de Cristo que vos reconcilieis com Deus. (2 Coríntios 5:18-20)

Então, está mesmo aqui. A missão de Deus é trazer de volta todo o mundo a um relacionamento com Ele próprio. Tudo o que faz é para este objectivo. Deus não está interessado só em poucas pessoas. Não se satisfaz de dizer, “Olha para a minha família! É suficientemente grande. Vou conceder as minhas bênçãos para estes filhos meus.” Não, Deus tem a missão de abençoar todo o mundo.

Essa sendo a missão de Deus, qual é a Sua estratégia para a cumprir? Pois, a chave da estratégia foi a morte e a ressurreição de Cristo. Mas também, um elemento principal da estratégia, do princípio ao fim da história, é isto: Deus criou um povo para participar com Ele na missão. Deus criou um povo para trabalhar junto com Ele na missão.

Em vez de focarmos só numa passagem, vamos olhar para várias passagens, para que possamos ganhar um panorama bem rápido desta estratégia. Em primeiro lugar vejamos como começou. Quem foi o pai do povo de Deus? Foi Abraão. Voltem a Génesis 12, aos primeiros versículos do capítulo.

Ora, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra, e da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome, e tu serás uma bênção. E abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra. (Génesis 12:1-3)

A família de Abraão ia ser o povo de Deus, e Deus ia abençoá-la ricamente. Mas vocês ouviram a próxima frase? “Tu serás uma bênção… e em ti serão benditas todas as famílias da terra.” As bênçãos de serem a família de Deus não ficavam por ali. Foram dadas com o fim de abençoar todas as famílias da terra. Esse foi o propósito na criação do povo de Deus.

Durante os séculos, Deus ensinava e formava o Seu povo para ser um canal de bênçãos para o resto do Mundo. E Israel lembrou-se desta razão de ser — de vez em quando. Por exemplo, eles cantavam a canção escrita no Salmo 67, que diz,

Deus tenha misericórdia de nós e nos abençoe; e faça resplandecer o seu rosto sobre nós, para que se conheça na terra o teu caminho, e em todas as nações a tua salvação. (Salmo 67:1-2)

Para que é que Deus tem misericórdia de nós? “Para que se conheça na terra o teu caminho, e em todas as nações a tua salvação.”

Mas a maior parte das vezes, Israel esqueceu-se disso. Eles tinham muito orgulho que Deus os abençoasse, mas esqueciam-se que era para o fim de estenderem para todo o mundo a bênção dum relacionamento com Deus. O povo ficou tão infiel que Deus não o podia usar com eficácia. Era por causa desta infidelidade que, no final, Deus resolveu desterrar o povo para o exílio.

Isto ensina-nos uma lição muito importante: para sermos bem úteis na missão de Deus, temos primeiramente que ser fiéis a Deus. Se persistirmos em ser infiéis, desobedientes, não podemos ser verdadeiramente úteis na Sua missão.

Mas Deus, apesar da infidelidade do povo, ainda tinha de cumprir as Suas promessas e a Sua missão. Portanto ele trouxe de volta poucos do povo, o chamado “restante,” e recordou-os do papel deles na missão, como está escrito em Isaías 49:6.

Disse mais: Pouco é que sejas o meu servo, para restaurares as tribos de Jacó e tornares a trazer os guardados de Israel; também te dei para luz dos gentios, para seres a minha salvação até à extremidade da terra. (Isaías 49:6)

E Deus ficou fiel à Sua promessa. Através do Seu povo, os descendentes de Abraão, Deus enviou um Salvador para o mundo inteiro: o Seu filho, Jesus Cristo. Jesus, o israelita verdadeiramente fiel, trouxe a bênção da salvação para todo o mundo. Como? Através da Sua morte naquela cruz.

E com o exemplo dEle, aprendemos uma segunda lição bem importante: para sermos úteis na missão de Deus, temos de estar dispostos a sofrer, como Cristo. Faz parte do papel do discípulo de Cristo. Muitas vezes, os nossos sofrimentos são os meios pelos quais Deus alcança o resto do mundo com a Sua salvação. É uma lição bem clara por toda a parte do Novo Testamento; por exemplo, em Marcos 10:30, Jesus promete que os seguidores vão receber muitas bênçãos, junto com perseguições. O Apóstolo Paulo promete a mesma coisa em 2 Timóteo 3:12, dizendo, “todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições.” A mesma lição é explícita em quase todos os livros do Novo Testamento.

Mas nós raramente falamos disso, preferindo pregar sobre as grandes bênçãos que temos em Cristo. Porquê? Será que a nossa memória sofre do mesmo defeito da dos israelitas? Será que nos concentramos tanto nas nossas bênçãos que nos esquecemos da razão de sermos o povo de Deus – para abençoar todas as famílias da terra com o amor de Deus, mesmo que exija sacrifícios da nossa parte? Vale a pena pensar nestas questões.

A missão de Deus não se concluiu com Jesus, mas continuou na igreja primitiva. O Apóstolo Paulo é um exemplo. Paulo sabia desde o princípio o que é que o cristianismo também continha. O Senhor tinha prometido mostrar-lhe “quanto deve padecer pelo Meu nome.” Ainda assim, Paulo determinou ficar Cristão e juntar-se à missão de Deus. E assim voltamos à passagem que Paulo escreveu, 2 Coríntios 5:18-20, que lemos no início. Vamos ler de novo, escutando desta vez como Paulo descreve o nosso papel na missão de Deus.

E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo, por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação, isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados, e pôs em nós a palavra da reconciliação. De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamos-vos, pois, da parte de Cristo que vos reconcilieis com Deus. (2 Coríntios 5:18-20)

É incrível, não é? A missão de Deus é reconciliar o mundo consigo, e Ele deu-nos esta tarefa também, fazendo-nos “embaixadores da parte de Cristo.” E isto ensina-nos a terceira lição bem importante: a missão não é nossa. Pertence a Deus. Deus é quem escolhe o objectivo, os meios, o timing; e Deus é quem é capaz de realizar esta missão. A nossa parte é participar, trabalhar junto com Ele, seguir as instruções dEle, e confiar nEle para cumprir a missão. A missão é dEle, não é nossa.

Estas últimas semanas temos estudado com o tema, “Vidas Transformadas.” Uma das maneiras mais poderosas para transformar uma vida é dar propósito a essa vida. Irmãos e irmãs, isso mesmo é o que Deus fez. Quando fomos baptizados, Ele deu-nos o papel mais maravilhoso de todos: participar na missão de Deus. E este papel missionário tem o poder de mudar por completo as nossas vidas.

Como é que mudava o nosso convívio na igreja se sempre nos lembrássemos que Deus quer abençoar não só a nós, mas todo o mundo através de nós? Como é que mudavam as nossas ofertas se percebêssemos que o papel da igreja é de abnegação para proveito de outros, não de auto-enriquecimento? Como é que mudava a nossa selecção de casa, local, e trabalho se fizéssemos decisões baseadas nas prioridades da missão de Deus? Como é que mudava toda a nossa vida se estivéssemos realmente dispostos a entender que:
1. A missão pertence a Deus, e Ele é quem marca a agenda para as nossas vidas,
2. vamos ter de ser fiéis, e vamos ter de sofrer,
3. e tudo com o fim de outras pessoas serem abençoadas com o relacionamento com Deus?

No princípio desta pregação, eu chamei-me um missionário. Agora, quero mudar isso. Deus é o missionário; eu sou apenas um do Seu povo. E portanto, por definição, faço parte da Sua missão. Se tu também fazes parte do povo de Deus, então também fazes parte da Sua missão. És um co-missionário com Deus. Deixa-me dizer-te, essa é uma ocupação muito entusiasmante! Deus nunca é previsível, nunca é monótono. É a viagem mais maravilhosa de todas, porque estás a trabalhar todos os dias ao lado do Deus Todo-Poderoso, o Criador do universo, num relacionamento profundo com Ele. Isso é o que quer dizer ser Cristão!

A Eliana fala português – Eliana speaks Portuguese!

We are gearing up for the holidays here  – decorating our Christmas tree, munching on dried fruit and nuts (Portuguese tradition), and decorating Christmas cookies. Eliana even saw Pai Natal (Santa) at the mall and got a piece of candy!

In October, Danny and I put Eliana into a Portuguese daycare for about 3 hours each day to have some good interaction in Portuguese. Ellie really enjoys her school now. She regularly greets people with “Bom dia,” “Boa tarde,” and “Boa noite” and has added “aula” (class), “escola” (school), and a few other words to her Portuguese vocabulary. Just this last week, I noticed another jump in her Portuguese. When I picked her up on Friday, she was repeating everything her teacher said to her. It’s quite funny to hear Eliana’s Portuguese – imagine trying to decipher your toddler’s words when they’re in a new language!

Language learning is slow, but we’re getting there, little bit by little bit.

Eliana at her school
Eliana at her school

Much to be thankful for

A look back on all of the things I’m thankful for from the past year.

Westover Hills and our wonderful support team
Family time
Time with family before leaving (Ellie is playing Princess Crazy Eights with her cousins here)
Arriving in Portugal!
Arriving in Portugal!
Our language teacher, Eunice
Our language teacher, Eunice
The Lisbon Church and all of our friends there
The Lisbon Church and all of our friends there
Being able to visit so many exciting places
Our wonderful team
Our wonderful team
The safe arrival of Baby Sophia
The safe arrival of Baby Sophia
Grandparent visits!
Grandparent visits!
Visiting family in Italy
Visiting family in Italy
My wonderful husband, and great friends for Eliana
My wonderful husband, and great friends for Eliana
My two sweet girls
My two sweet girls
... and pie!
... and pie!