Notícias da Angola Team Arquivo

O Nosso Aprovação Inesperado Esperado

A sexta-feira passada (10 de Junho) foi Dia de Portugal. Ontem, Sábado, foi o Dia de Todos os Santos. Dia em que os portugueses de Lisboa comem sardinhas na rua sem dormir. Todos os anos, a igreja aqui em Lisboa passa este fim-de-semana a fazer uma vigília de oração. Num total de 36 horas, oramos um de cada vez, por turnos, e em conjunto com a igreja toda. (É difícil pensar que já estou aqui a tempo suficiente ao ponto de já ter feito a vigília por duas vezes). Entre os pedidos de oração estávamos a orar para que os vistos para Angola chegassem. Tínhamos a intenção de chegar a Angola em Janeiro mas parecia que nem o governo de Angola nem Deus tinham a mesma vontade que nós, pois tínhamos ficamos em Portugal para melhorar o nosso português, trabalhar com a igreja e preparar para a nossa chegada em Angola.

Ontem a noite fiquei muito cansado depois de um fim-de-semana cheio de oração e com pouco sono. Mas mesmo assim ainda dei por mim na baixa de Lisboa com alguns amigos da igreja. A nossa volta estavam milhares de pessoas. O cheiro da sardinha a grelhar e o som da música de Amália a tocar no rádio invadia as ruas naquela noite. Enquanto eu tirava espinhas da sardinha dos dentes, o meu colega da equipa Roberto telefonou. Ele disse-me que a nossa amiga Júlia do consulado da Angola em Houston tinha telefonado na sexta-feira (durante aquela vigília). Infelizmente, ele não estava em casa no momento do telefonema. Estava com a família no Algarve e por isso não recebeu a mensagem. Ao regressarem a casa receberam, então, a tal notícia. Ela disse que todos os vistos estavam prontos, excepto o do Roberto que deveria estar pronto nas próximas semanas.

Fiquei sem palavras, depois de receber aquelas notícias. Fique em estado de choque e ainda tenho o cheiro de sardinhas na minha roupa (o cheiro dura muito tempo). Já a bué tempo que estou ansioso por ir para Angola, mas houve sempre obstáculos atrás de obstáculos. O tempo parecia nunca passar, mas agora, o tempo está a voar. Já só tenho sessenta dias para ir para Angola com o novo visto. De repente a porta abriu-se e eu não sei nem o que pensar, nem o que sentir. Deus está a começar um novo capítulo na minha vida, e isso é a causa de toda a minha excitação e ansiedade ao mesmo tempo. Significa também que um outro capítulo da minha vida vai acabar. O meu tempo em Portugal foi um dos tempos mais abençoado da minha vida e vou-me sempre lembrar deste tempo que cá passei com carinho. E cada vez que sentir o cheiro de sardinhas, vou pensar em como Deus é fiel e responde as nossas orações.

 

A Igreja de Cristo em Carcavelos Participa Connosco

No princípio de Maio, a nossa equipa tinha uma oportunidade de fazer uma apresentação numa outra igreja na zona de Lisboa, a Igreja de Cristo Carcavelos, sobre os nossos planos para Angola e as possibilidades da sua associação connosco no nosso ministério lá. Podem ler sobre a nossa primeira apresentação de equipa em português (e mesmo ver um vídeo) na nossa igreja, a Igreja de Cristo Lisboa (ICL). Faça “click” aqui.

Nós visitámos a igreja de Carcavelos num domingo de manhã, e fizemos a nossa apresentação durante a hora de escola dominical para todos os adultos e os jovens da igreja. A apresentação era parecida com a apresentacão que nós fizemos para a ICL – nós partilhámos uma curta história de Angola, apresentámo-nos, e falámos de algumas ideias para a igreja poder participar neste ministério. Depois, a igreja fez uma oração por nós. Nós não fizemos um vídeo desta apresentação, mas aqui estão algumas fotos:

 

O Danny começou apresentando a situação em Angola:

 

Então, o Rusty e eu apresentámos a nossa equipa e falámos um pouco sobre como nós passámos este ano em Portugal:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Robert pediu aos membros da igreja para pensarem sobre formas como podiam usar os seus dons e talentos para se envolverem na obra de Deus em Angola e convidou-os para assinarem para receber as nossas cartas de oração e outras notícias. Ele também respondeu às perguntas no fim da apresentação:

 

A Katie falou sobre a Escola Bíblica Mundial e encorajou a igreja a pensar sobre ajudar neste programa com professores para os estudantes da EBM em Angola. A EBM funciona quase só por correspondência. Então, a EBM é uma maneira óptima para os Cristãos que falam português em Portugal poderem estender a mão para os angolanos que falam português. A ICL já concordou em dirigir este programa. Nós desejamos que a igreja de Carcavelos possa juntar-se a eles neste esforço:

 

O Nathan convidou os membros da igreja, especialmente os jovens, para nos virem visitar em Angola:

 

A Teague pediu ajuda para desenvolver e traduzir materiais de estudo em português. Ela também apresentou algumas formas específicas para a igreja poder orar por nós:

 

A Jordan acabou agradecendo à igreja pelo seu envolvimento em missões, pela sua cooperação com a ICL, e pela sua disponibilidade de pensar como podem juntar-se a nós no trabalho em Angola:

 

No fim do culto, todos os membros angolanos vieram para a frente para orar por nós.

 


 

 

 

Nós agradecemos pela recepção cordial que nós recebémos da igreja de Carcavelos, e pelas suas orações e apoio. Nós oramos que o seu entusiasmo pela obra de Deus em Angola se desenvolva numa cooperação cheia de fruto que vá abençoar tanto a nós como a eles, e mais importante, que alcance em Angola aqueles que não conhecem Jesus.

(English) Angola Day of Prayer Recap

Pedimos desculpa, mas este texto está apenas disponível em Inglês (Eua).

Dia de Oração: Little Rock, Arkansas, EUA

A Minha Família Angolana

Nathan and his Family

Acho frequentemente engraçado o conceito Angolano de família. Alguém podia dizer que aquele fulano é um irmão ou irmã, “o ou “a, primo ou prima, ou um avô. Se pedires mais informações sobre os detalhes específicos prepara-te para uma explicação longa que possa durar bué tempo e talvez não faça sen”do nenhum. Em muitos casos pode não haver nenhum laço de sangue mas são considerados família apesar disso. Muitas circunstâncias podem fazer das pessoas família. Em Angola, os membros de muitas famílias foram separados uns dos outros por causa da guerra; novos laços foram criados com quem par”lharam a vida e experi:ncia.

O meu primeiro relance dentro deste mundo começou no ano passado quando mudei para a casa duma família Angolana da igreja – Dogério e Celes”na Makiese e os filhos Dogério Dula, Amanda e Noémia. A Familia Makiese “nha-se mudado recentemente dum apartamento pequeno em Lisboa para uma casa maior um pouco mais fora da cidade. Eu estava na casa deles a almo-çar um dia depois da igreja, quando perguntei ao Dula por brincadeira se ele queria um companheiro de quarto. O Dula ficou muito animado com a ideia e perguntou aos pais. Eles disseram-me que Deus lhes “nha entregue aquela casa para que eles pudessem usá-la para O servir. Como eu ia levar o evangelho à sua própria pátria e povo, eles “nham muito gosto de par”lhar a casa comigo. Além disso, disseram que ia ser muita irresponsabilidade da minha parte não aceitar a sua hospitalidade. Eu não consegui argumentar contra aquilo, mas não “nha nenhuma ideia onde me ia levar a mudança para a sua casa na semana seguinte.

No início, pensei que morar com a família Makiese me ia oferecer oportunidades para pra”car portugu:s, para aprender mais da cultura angolana e para me ir acostumando à comida Angolana. E claro, tem sido todas essas coisas, mais tem sido muito mais. Agora tenho uma família Angolana em Portugal, eles não são “como família” são mesmo a minha família. Será tão diIcil deixar da minha família em Portugal como foi deixar a minha família nos Estados Unidos. Sou abençoado desmedidamente por ter famílias nos EUA e em Portugal que me amam e apoiam. A família Makiese sem dúvida tem sido a maior b:nção que me foi dada no ano passado e será a minha família para sempre.

 

A Igreja de Cristo em Lisboa Participa Connosco

Não há nada como ser acolhido por uma congregação de crentes quando se viaja no estrangeiro para ajudar uma pessoa a sen-“r-se em casa e para demonstrar o propósito que Deus tem para a igreja. A Igreja de Cristo Lisboa (ICL) acolheu cada membro da nossa equipa desde o primeiro dia e convidou-nos para par”cipar com eles no que Deus estava a fazer em Portugal. Temos sido abençoados pela oportunidade de fazer parte do corpo de Cristo em Lisboa

The ladies on the team have attended several baby showers with the ICL this year.

Na Assembleia Geral Anual em Janeiro, The Angola Team apresentou oportunidades para a ICL para se involver com o trabalho em Angola. Convidámos a ICL para par”cipar conosco ao corresponder-se com estudantes da Escola Biblica Mundial em Angola, ajudando a fazer e a traduzir materiais, ensinando-nos sobre a cultura de Angola, e orando por nós. Também encorajámos membros da igreja a visitarnos em Angola. Quem melhor para vir ajudar com o trabalho no campo missionário do que os que já falam a lingual do país?

A ICL ficou entusiasmada com a oportunidade para par”cipar connosco e vinte duas pessoas inscreveramse para ajudar. Por causa do relacionamento especial que nós temos com A ICL, começámos uma edição portugu:sa deste bole”m para Portugu:s para que a ICL também possa receber as nossas atualizações. Esperamos por uma versão portugu:sa do site angolateam.org nos próximos meses para que nós possamos manter o mundo lusófono informado sobre o trabalho de Deus em Angola.

Enquanto esperámos a par”da para Angola, sabemos que somos enviados, não só pelas nossas familias da Igreja nos Estados Unidos, mas também pela nossa familia da igreja em Portugal. Tal como com as nossas igrejas nos Estados Unidos, sabemos que a ICL não nos quer ver par”r mas também percebem porque nós vamos e enviam-nos com alegria nos corações. Estamos agradecidos pela nossa familia ICL e também vamos ter muitas saudades dela.


Dezembro 2010 Notas

Sementeira & Colheita – Dezembro 2010

(English) September 2010 Newsletter

Pedimos desculpa, mas este texto está apenas disponível em Inglês (Eua).

Uma Vista pelo Interior de Aprender Português

Alguns Antecedentes:

Os Reeses em Portugal, 21 de Junho de 2005

Os Reeses na Aula de Português, em Junho de 2005

Em Junho de 2005, o Danny e a Katie Reese chegaram a Lisboa, Portugal para começar a aprender Português. Naquela altura, eles, com o Nathan Holland, tinham desejo para ir para Angola, Africa para fazer trabalho missionário, mas ainda nenhuns planos específicos estavam feitos. Durante três semanas eles frequentaram aulas de Português ensinadas  pela Eunice Carapeto para se prepararem para a época da viagem por  Angola. Agora, cinco anos depois, a Angola Mission Team está  junta  em Portugal para aprender português!

A Eunice tem ensinado português há mais de 25 anos  a missionários com destino ao mundo lusófono. A Angola Mission Team é a primeira equipa inteira que a Eunice já ensinou na mesma época. Nos ocupamos três das quarto aulas de duas-horas de Segunda-Feira a Sexta-Feira.

Primeiro: Aprenda a fazer os sons e a realçar as sílabas certas.

O Desafio: O alfabeto inglês que os Americanos podem dizer a dormir deles transforma-se nos 26 novos sons portugueses. Se você já tiver estudado  uma outra lingua, sabe que é uma tarefa difícil aprender sons novos! Por exemplo, em inglês a letra “e” chama-se “i.” Cada lettra tem um som novo e quando combinada com outras letras, tem sons desconhecidos.

Como nós sobrevivemos a este desafio: Se calhar, Nós nunca vamos saber a fundo todos os sons da lingua, mas nós practicamos, practicamos, e practicamos para ter a melhor pronúncia que pudermos ter. No princípio a Eunice deu-nos listas de sons para ouvir e repetir até saber de cor. Na aula nós lemos a nosso trabalho de casa (TPC), livros, e outra literatura em voz alta para practicar a nossa pronúncia e a Eunice corrige-nos quando é preciso.

Segundo: Enteder a Gramática

Aula de Português da Teague, Jordan, e Katie , de Novembro de 2010

O Desafio: A nossa comunicação fica limitada pela gramática que nós sabemos. Então, gradualmente A Eunice introduz conceitos de gramatica e nós avançamos enquanto nós ficamos mais hábeis com  estes conceitos. A Eunice diz que “Há muitos regras e poucas exceções em português” e no  Inglês “Há  poucas regras e muitas exceções.” No princípio, é dificil manter verbos irregulares e regulares em ordem e usando também a preposição certa, mas com a practica nós ficamos melhores nisso.

Como nós sobrevivemos a este desafio: Além de exercícios, que com a repetição começam a habituar-nos os ouvidos à gramática correta, a tradução também é útil para nos tornar mais competentes. Nós traduzimos de  Inglês para Português e de Português para Inglês, para corrigir os nossos erros com a Eunice para  podermos crescer no nosso conhecimento da gramática portuguesa.

Terceiro: Aprender a atirar as palavras da boca para fora.

Aula dos Campbells, de Setembro de 2010

Desafio: As nossas línguas presisam de soltar-se. Por mais que nós possamos comunicar em papel, ao falar, mesmo nas nossas aulas, é muito difícil encontrar as palavras certas rapidamente. Os nossos cérebros estão a tentar a usar as palavras certas, a pronúncia, e a gramática corretas  ao mesmo tempo e é muito difícil simplesmente encontrar e articular as palavras quando nós estamos a conversar com alguém na igreja ou com outras pessoas que nós encontramos na nossa vida diariamente.

Como nós sobrevivemos a este desafio: Mais práctica. Não só practicamos sons e gramática, também practicamos a falar e a conversar. Com a conversa e leitura em voz alta que fazemos na aula, nós recitamos “grupos.” Grupos são uma lista de frases e perguntas, usadas pela Eunice para ajudar com a fluência , que são mais como destrava-línguas para alguns de nós que não falamos português há muito tempo. Cada lista tem um limite de tempo e nós practicamos ao recitar a lista muitas vezes até nós sermos capazes de a ler com fluência dentro do tempo limite.

Aqui têm! Adicionem algum vocabulário novo aqui e ali e estão a practicar para aprender a língua portuguesa!